Depressão Pós-parto

Dec 07 , 2019

Eva Aleixo

Depressão Pós-parto

A presença de depressão leve e transitória é a complicação mais comum da parturição (período pós-parto), ocorrendo em 10 a 15% das gestações.

Uma leve alteração de humor é comum na primeira semana de puerpério, geralmente a decorrer da adaptação da mãe ao nascimento do bebé, e é autolimitada. Em alguns casos, porém, ela pode ser grave o suficiente para adquirir características psicóticas, e desta forma, oferecer risco ao recém-nascido e à própria mamã. A psicose puerperal recorre em cerca de 50% das gestações posteriores.

Principais fatores de risco de depressão pós-parto: 

  • Gestação indesejada
  • Depressão ou ansiedade durante a gravidez
  • Ocorrência de eventos traumáticos na gravidez
  • Pouco suporte social
  • Presença de síndrome pré-menstrual com sintomas depressivos
  • Presença de transtornos de humor prévios ao ciclo gravídico-puerperal
  • Mulheres de baixo nível socio-económico
  • Adolescentes também têm uma suscetibilidade aumentada

Pelo fato de o puerpério ser um período de importantes mudanças emocionais, é possível que transtornos mentais prévios sejam exarcebados.

Alguns estudos sugerem que a suplementação de estrógeno e/ou progesterona pode previnir ou auxiliar no tratamento de depressão puerperal, mas os efeitos adversos dessas medicações no que se refere a eventos tromboembólicos limita significativamente seu uso.

----------------------------------------------------------

Fonte: Médica Psiquiátrica - Dra. PhD. Elisa Brietzke.